Comércio em Niterói sofre com a crise e lojas fecham as portas

Comércio em NiteróiO comércio em Niterói vem sofrendo retração desde o ano passado devido à crise econômica que provocou aumento dos juros, da inflação e do desemprego. Segundo a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói, 420 lojas fecharam as portas em Niterói, em 2015, apenas no Centro e em Icaraí. No ano passado foram concedidos 1,8 mil alvarás para novos estabelecimentos em Niterói, 2,389 mil a menos do que no ano anterior.

Neste ano a situação parece continuar adversa. Segundo a Prefeitura de Niterói, nos dois primeiros meses de 2016 a arrecadação de Imposto Sobre Serviço (ISS) na cidade foi 3,5% menor do que no mesmo período do ano passado, indicando um desaquecimento na economia da cidade.

O impacto da crise nas ruas da cidade é visível. Quem passa pela Rua Marechal Deodoro, no Centro, por exemplo, percebe que boa parte das lojas foi fechada.

Na opinião dos proprietários de loja, a crise está afastando os clientes porque as pessoas estão ficando sem dinheiro para gastar.

O presidente do Sindilojas, Charbel Tauil, diz que é preciso haver uma estratégia para revigorar o comércio, sobretudo no Centro. Ele sugere, por exemplo, que sejam abertos espaços para os serviços de food trucks em áreas como o Jardim São João ou a Praça do Rink.

O secretário de Desenvolvimento Econômico de Niterói e presidente da CDL-Niterói, Fabiano Gonçalves, por sua vez, defende o fim da cobrança da Taxa Única de Serviço Tributário da Receita Estadual para o comércio e flexibilidade das leis trabalhistas para não onerar a folha de pagamento dos lojistas.

 

 

Leia também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.